Área restrita



Quem está online

Nós temos 21 visitantes online
Idas e vindas PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Sáb, 22 de Julho de 2017 15:56
IDAS E VINDAS
Os filósofos gregos ensinavam com muita propriedade: Conhece-te a ti mesmo. Essa ideia representa a pedra angular da evolução humana. Se não nos conhecermos passaremos pela vida sem nunca tê-la vivido.
O desconhecimento de nossa verdadeira natureza estabelece o medo da morte, gerando uma grande dúvida sobre o nosso verdadeiro ser e o nosso destino.
A morte é inevitável, como todos sabemos. É preciso entender, no entanto, que ela não é um fim em si mesma. Pelo contrário, ela é a porta de entrada para a nossa pátria verdadeira. Nós já morremos certamente dezena de vezes, ou centenas.
Quando morremos voltamos à nossa origem. Nós conhecemos o caminho. Já fizemos esse percurso muitas vezes. Voltamos para reencontrar nossos amigos e parentes que já partiram, para recarregar nossas baterias.
Falta ao ser humano a dimensão da eternidade. Todos já nascemos eternos.
A ignorância da realidade da vida é que causa toda apreensão. Precisamos entender, aceitar, confirmar e praticar o ensinamento verdadeiro.
Seguindo esses quatro passos, começa a despontar o horizonte real.  Primeiro, entender. Fica muito claro que a encarnação atual é passageira. Todos já vivemos o fenômeno da morte com nossos parentes e amigos que nos antecederam. Então basta raciocinar para entender que, naturalmente, chegará também o dia da nossa partida. A inteligência nos ensina a nos preparar para o grande momento e não a temê-lo.
Outro ponto a ser considerado é que a única explicação lógica para a diversidade de situações que as pessoas vivem só pode ser entendido pela reencarnação. Não há como justificar que algumas pessoas nascem, vivem e morrem em condições de miserabilidade enquanto outros nascem, vivem e morrem em berços de ouro. Sem a reencarnação seria injusto. Colhemos sempre o que plantamos. Nesta vida ou em vidas anteriores. Nada escapa à lei. Da mesma forma que recebemos o bônus de nossos atos virtuosos, arcaremos com o ônus de nossos erros.
Portanto, nada acontece por acaso. O segundo passo é aceitar essa realidade. Nada que se faça poderá mudar a morte de cada um. Então aceitar é uma questão de inteligência.
Assim, com um exercício de sabedoria chegamos ao terceiro passo: a confirmação. Confirmando naturalmente o que já foi exposto, passamos para o quarto passo: a prática. Que nos conduz ao desapego, o grande salto a ser dado.
Nós somos apegados aos nossos familiares, aos nossos empregos, às nossas propriedades, como se eles fossem eternos e nos pertencessem verdadeiramente. Chegamos sem nada e partiremos sem nada. Nem nossos corpos que muitas vezes cultuamos com veneração, vamos levar para a espiritualidade. Levaremos o nosso espírito enriquecido com nossas experiências.
O que é que causa no ser humano a discórdia, o conflito, a guerra, a disputa, a briga, o querer ser mais ou melhor do que o outro? É o desconhecimento da realidade verdadeira de cada um. É a ilusão.
Querer que o tempo volte, e que as lembranças magníficas já vividas se repitam é também pura ilusão. Querer novas histórias, maiores e ainda melhores é o estímulo para o nosso desenvolvimento interior e pessoal.
Todos nós somos considerados igualmente pelo nosso Pai Altíssimo. Para ele não há diferença entre nós.
As idas e vindas fazem parte do nosso itinerário. Vamos percorrê-lo com consciência e o coração pleno de gratidão.
Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

Os filósofos gregos ensinavam com muita propriedade: Conhece-te a ti mesmo. Essa ideia representa a pedra angular da evolução humana. Se não nos conhecermos passaremos pela vida sem nunca tê-la vivido.

O desconhecimento de nossa verdadeira natureza estabelece o medo da morte, gerando uma grande dúvida sobre o nosso verdadeiro ser e o nosso destino.A morte é inevitável, como todos sabemos. É preciso entender, no entanto, que ela não é um fim em si mesma. Pelo contrário, ela é a porta de entrada para a nossa pátria verdadeira. Nós já morremos certamente dezena de vezes, ou centenas.

 
Uma mulher de valor PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Qua, 19 de Julho de 2017 20:15
UMA MULHER DE VALOR
Campo Grande, “a babel que deu certo”, segundo o historiador Edson Contar, por ser resultado do caldeamento de muitas raças e nacionalidades, sempre foi uma fonte de negócios e de empreendimentos. Aqui aportaram árabes, japoneses, paraguaios, bolivianos, portugueses, espanhóis e italianos, que se somaram aos habitantes locais e construíram esta cidade que todos amamos.
O seu futuro foi muito bem delineado pelo vereador Trajano Balduíno de Souza, que em 1918, muito inspirado, criou o hino da cidade, que assim canta, em sua primeira estrofe:
“Campo Grande que outrora um deserto,
Transformou-se em cidade primor,
É de jóias escrínio aberto,
É uma gema de fino lavor!”
Com a criação do estado de Mato Grosso do Sul e a implantação da capital em Campo Grande, em 1979, um surto de progresso tomou conta da nossa cidade. Novas atividades foram sendo implantadas.
E foi assim que em 1986, uma jovenzinha com 21 anos sonhou um grande ideal: criar uma academia completa com ginástica, natação e musculação, onde seus antepassados vindos do norte da Itália aqui aportaram, tendo o apoio entusiástico de sua mãe e de sua irmã, então com 16 anos.
A jovenzinha Mara Tesser, a mãe Terezinha Tesser e a irmã, Marisa Tesser.
Assim, Mara inaugurou o seu projeto: Praktika Academia, com o que tinha de mais avançado na época de aparelhos de musculação, piscina aquecida, hidroginástica, sauna e sala de aula.
Seguindo desde o início as tendências dos grandes centros, a academia inaugurou diversas atividades como natação para bebês, aeróbica de alto impacto, step, yoga, entre outras aulas.
A evolução foi constante, e em 1990 inovou com as aulas pré-coreografadas, por intermédio da Body Systems, que patenteava as aulas da Les Mills, da Nova Zelândia.
Em 1992, a academia foi ampliada. Em 2007, mais um projeto ousado e inédito no Brasil. Uma mostra de arquitetura e design. A proposta de fazer a Mostra Praktika Design nasceu não apenas da necessidade de fazer uma reforma física na academia, oferecendo mais espaço para seus alunos e investindo em modernos aparelhos para a musculação, mas também como um diferencial em relação às outras academias.
Mais novidade ainda: acompanhando a evolução do mercado, a equipe da Praktika buscou parcerias com renomados arquitetos e designers para lançar uma nova proposta, com a transformação do espaço para atender seus alunos no conceito “Saúde e Bem-estar”.
A Praktika continuou inovando em 2014, em 2015 e também em 2016, com uma nova reforma que exigiu um investimento elevado e o aproveitamento de todos os espaços ainda disponíveis, e assim a nova academia Pratika foi reinaugurada.
Acompanhei parte dessa evolução. Neste 2017, completo quatro anos como aluno permanente da academia e me sinto beneficiado por toda essa inovação e pela equipe de professores de alto padrão.
A Mara Tesser soube, com competência e dedicação, montar um corpo de profissionais de alta estirpe que é o principal patrimônio da academia, uma equipe especializada de professores e personal trainers que trabalham com dedicação para oferecer aos seus alunos o que há de melhor na área do cuidado com a boa forma.
Mara conseguiu também criar um espírito de cooperação que tornou a nossa academia um local agradável de prática esportiva e de convívio com pessoas de alto nível.
Nesta oportunidade rendo minhas homenagens e meu reconhecimento à ousadia, coragem e valentia de Mara Tesser, que conseguiu realizar o seu sonho.
Uma mulher de valor.
Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

Campo Grande, “a babel que deu certo”, segundo o historiador Edson Contar, por ser resultado do caldeamento de muitas raças e nacionalidades, sempre foi uma fonte de negócios e de empreendimentos. Aqui aportaram árabes, japoneses, paraguaios, bolivianos, portugueses, espanhóis e italianos, que se somaram aos habitantes locais e construíram esta cidade que todos amamos.

 
A fonte é uma só PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Seg, 10 de Julho de 2017 21:59
A FONTE É UMA SÓ
“O futuro é construído pelas nossas decisões diárias, inconstantes e mutáveis, e cada evento influencia todos os outros”. (Alvin Toffler).
Procurando entender a frase acima, fui construindo um raciocínio de como definir minhas decisões diárias para que meus atos não sejam inconstantes e mutáveis, mas sim previsíveis e consequentes, de acordo com os meus desejos.
Percebi que em minha mente os meus sentimentos entram em conflito com meus pensamentos. O meu coração diz uma coisa, a minha ação o contradiz. Assim, é gerada uma energia contraditória  que não leva a lugar nenhum porque não tem um propósito definido.
A única maneira de organizar e dirigir minha ação de forma eficaz é canalizar minha energia de forma harmônica para que eu alcance um resultado coerente com meus sentimentos e emoções.
A ciência quântica, que tem entre seus maiores divulgadores o cientista americano Gregg Braden, mostra com muita clareza que essa contradição a que aludi acima é o grande obstáculo para que meus desejos sejam concretizados.
Lembrei-me também de Baruch Spinoza, filósofo holandês do século XVII, que formulou um conceito de Deus tão forte e tão importante que Einstein quando perguntado se acreditava em Deus, respondeu: “Acredito no Deus de Spinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe, e não no Deus que se interessa pela sorte e pelas ações dos homens”.
Do tratado de Spinoza, transcrevo uma parte:
“Esquece qualquer tipo de mandamento, são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti. Respeita o teu próximo e não faças aos outros o que não queiras para ti. A única coisa que te peço é que prestes atenção à tua vida; que teu estado de alerta seja o teu guia. Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno”.
Assim, constato que ao longo dos tempos, os religiosos e filósofos foram formulando suas teorias, teses e ensinamentos buscando orientar a humanidade para uma finalidade única: alcançar a liberdade de pensamento e de ação para uma evolução constante, por meio do autoconhecimento.
A propósito desse mesmo tema, há o Manuscrito dos Essênios, encontrado numa caverna em Qumran, nas imediações do Mar Morto, contendo o Código de Isaías que descreve tudo que a ciência quântica começou a compreender há poucos anos, ou seja, a existência de muitos futuros possíveis para cada momento de nossas vidas e que, na maioria das vezes, escolhemos inconscientemente.
Cada um desses futuros encontra-se em estado de repouso, esperando ser despertado conforme nossas decisões tomadas no presente. O Código de Isaías descreve com precisão essas possibilidades, numa linguagem que só agora começamos a entender. Isaías descreve a ciência que nos ensina como escolher o tipo de futuro que queremos experimentar.
Os essênios eram uma das seitas dos judeus – as outras duas eram os saduceus e os fariseus –, que conservavam a tradição dos profetas e o segredo da Pura Doutrina. De costumes irrepreensíveis, moralidade exemplar, pacíficos e de boa-fé, dedicavam-se ao estudo espiritualista, à contemplação e à caridade, ao contrário do materialismo presente na época.
Era um povo muito além de seu tempo e procuravam servir a Deus, auxiliando o próximo, sem imolações no altar e sem cultuar imagens. Eram livres, trabalhavam em comunidade, vivendo do que produziam. Não eram adeptos da escravidão.
Misturando de tudo um pouco, Toffler, ciência quântica, Spinoza e o Código de Isaías, chego à conclusão que de fato, a fonte é uma só.
Assim, nosso futuro depende de nossas decisões presentes, sempre. E devemos dirigir-nos à fonte. Que, no meu entendimento, está no coração de todos nós.
Só depende de cada um agir conscientemente.
Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

O futuro é construído pelas nossas decisões diárias, inconstantes e mutáveis, e cada evento influencia todos os outros”. (Alvin Toffler).

Procurando entender a frase acima, fui construindo um raciocínio de como definir minhas decisões diárias para que meus atos não sejam inconstantes e mutáveis, mas sim previsíveis e consequentes, de acordo com os meus desejos. Percebi que em minha mente os meus sentimentos entram em conflito com meus pensamentos. O meu coração diz uma coisa, a minha ação o contradiz.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 1 de 79

Redes sociais

Facebook 
Hjemmeside Wildberry Telefoni Internet