Área restrita



Quem está online

Nós temos 39 visitantes online
Boas sementes, bons frutos PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Sáb, 19 de Maio de 2012 00:00
Na noite de 18 de maio, tive a oportunidade de participar do evento de inauguração da sede definitiva  da Academia Maçônica de Letras do Estado de Mato Grosso do Sul, sob a presidência do acadêmico Cid Antunes da Costa. Houve a presença de autoridades do meio cultural do nosso estado: Américo Calheiros, presidente da Fundação de Cultura do estado – representando o governador André Puccinelli –, Reginaldo Alves de Araújo, presidente da Academia de Letras do estado, Edilson Aspet Azambuja, da diretoria da Fundação de Cultura, e as mais altas e representativas autoridades do mundo maçônico: Márcio Lolli Ghetti, Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, Jordão Abreu da Silva Júnior, Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso do Sul e Temístocles Minervini, representando o Grão-Mestre do Grande Oriente do Estado de Mato Grosso do Sul, Benjamin Barbosa. Tive a honra de ser convidado para a mesa diretora dos trabalhos, sentando-me ao lado do insigne maçom Fadel Tajher Iunes.
A Academia foi fundada em maio de 1999, pelos então Grão-Mestres das Potências Maçônicas: Fadel Tajher Iunes (Grande Oriente do Brasil), Edgard Buytendorp (Grande Oriente do Estado de Mato Grosso do Sul) e por mim, que na época era o Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso do Sul. Interpretando a necessidade de uma agremiação que congregasse os irmãos escritores maçônicos, unimos nossos esforços para essa finalidade. O local que abriga a sede da Academia foi gentilmente cedido pelo Grande Oriente do Brasil.
A inspiração da criação da Academia foi do dr. Fadel Tajher Iunes, que me convidou para, juntos, participarmos de tão importante ato. Convidamos também o Edgard Buytendorp, que de imediato aceitou participar do evento. Assim, naquele histórico e não tão longínquo dia, a Academia foi criada e instalada. A semente então plantada germinou rápido e frutificou produzindo frutos abundantes e generosos.
A sede agora inaugurada, cuja construção teve o fundamental apoio do governo do estado, consta de uma sala para a administração, uma biblioteca e um auditório que sediará as reuniões dos acadêmicos em suas atividades culturais.
Como toda instituição que se preze, a Academia também tem um anjo da guarda: Cibele Regina Barros da Costa, que vela por todos os acadêmicos, prestando-lhes assessoria e ajuda nos mínimos detalhes. Ao final da cerimônia de inauguração, ela recolhia os colares e as pelerines, dizendo: “Aqui só tem homem; se deixar por conta deles, vira bagunça. Por isso faço o meu trabalho”. Com um tom maternal de doçura e gentileza.
O quadro de acadêmicos consta de 40 cadeiras, cada uma com o seu respectivo patrono. O patrono da Academia é o jornalista e maçom Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, o Patriarca da Imprensa Brasileira, que em 1808 fundou o Correio Braziliense, o primeiro jornal do Brasil.
A amizade que envolve os acadêmicos é mais que afeição: é franqueza, sinceridade, aceitar com a mesma seriedade as críticas e os elogios do amigo, são estímulos poderosos para o enobrecimento que une a todos.
A semente foi bem plantada e o solo é fértil.

Na noite de 18 de maio, tive a oportunidade de participar do evento de inauguração da sede definitiva  da Academia Maçônica de Letras do Estado de Mato Grosso do Sul, sob a presidência do acadêmico Cid Antunes da Costa. Houve a presença de autoridades do meio cultural do nosso estado: Américo Calheiros, presidente da Fundação de Cultura do estado – representando o governador André Puccinelli –, Reginaldo Alves de Araújo, presidente da Academia de Letras do estado, Edilson Aspet Azambuja, da diretoria da Fundação de Cultura, e as mais altas e representativas autoridades do mundo maçônico: Márcio Lolli Ghetti, Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, Jordão Abreu da Silva Júnior, Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso do Sul e Temístocles Minervini, representando o Grão-Mestre do Grande Oriente do Estado de Mato Grosso do Sul, Benjamin Barbosa.

Tive a honra de ser convidado para a mesa diretora dos trabalhos, sentando-me ao lado do insigne maçom Fadel Tajher Iunes.A Academia foi fundada em maio de 1999, pelos então Grão-Mestres das Potências Maçônicas: Fadel Tajher Iunes (Grande Oriente do Brasil), Edgard Buytendorp (Grande Oriente do Estado de Mato Grosso do Sul) e por mim, que na época era o Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso do Sul.

Interpretando a necessidade de uma agremiação que congregasse os irmãos escritores maçônicos, unimos nossos esforços para essa finalidade. O local que abriga a sede da Academia foi gentilmente cedido pelo Grande Oriente do Brasil.A inspiração da criação da Academia foi do dr. Fadel Tajher Iunes, que me convidou para, juntos, participarmos de tão importante ato. Convidamos também o Edgard Buytendorp, que de imediato aceitou participar do evento. Assim, naquele histórico e não tão longínquo dia, a Academia foi criada e instalada.

A semente então plantada germinou rápido e frutificou produzindo frutos abundantes e generosos.A sede agora inaugurada, cuja construção teve o fundamental apoio do governo do estado, consta de uma sala para a administração, uma biblioteca e um auditório que sediará as reuniões dos acadêmicos em suas atividades culturais.Como toda instituição que se preze, a Academia também tem um anjo da guarda: Cibele Regina Barros da Costa, que vela por todos os acadêmicos, prestando-lhes assessoria e ajuda nos mínimos detalhes. Ao final da cerimônia de inauguração, ela recolhia os colares e as pelerines, dizendo: “Aqui só tem homem; se deixar por conta deles, vira bagunça. Por isso faço o meu trabalho”. Com um tom maternal de doçura e gentileza.

O quadro de acadêmicos consta de 40 cadeiras, cada uma com o seu respectivo patrono. O patrono da Academia é o jornalista e maçom Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, o Patriarca da Imprensa Brasileira, que em 1808 fundou o Correio Braziliense, o primeiro jornal do Brasil.A amizade que envolve os acadêmicos é mais que afeição: é franqueza, sinceridade, aceitar com a mesma seriedade as críticas e os elogios do amigo, são estímulos poderosos para o enobrecimento que une a todos.A semente foi bem plantada e o solo é fértil.

Última atualização em Seg, 08 de Outubro de 2012 20:28
 
Quo usque tandem ...? PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Sex, 27 de Abril de 2012 00:00
O grande tribuno romano Marco Túlio Cícero imortalizou esta expressão ao dirigir-se a Lúcio Sérgio Catilina, que pretendia se apossar do poder em Roma para usurpá-lo em causa própria. Catilina só não tomou o poder devido à oposição firme e continuada de Cícero em quatro discursos que ficaram conhecidos como As Catilinárias. Quo usque tandem é uma expressão que se aplica sempre que há exorbitância continuada e arrogante por parte de um administrador público. E bem se aplica quanto à questão da Santa Casa, em pleno século XXI aqui em Campo Grande: Quo usque tandem, Nelsinho, abutere patientia nostra? [Até quando, Nelsinho, abusarás da nossa paciência?]
Não satisfeito com a “invasão” da Santa Casa, o prefeito Nelson Trad Filho extrapolou de suas atribuições ao tomar ilegalmente o prédio do Colégio Osvaldo Cruz, que havia sido doado em testamento pelo dr. Luiz Alexandre de Oliveira para a Associação Beneficente Santa Casa.
Como se sabe, o Colégio Osvaldo Cruz sempre foi particular, desde que foi criado pelo prof. Enzo Ciantelli e depois vendido para Wilson Barbosa Martins e José Fragelli, que o revenderam ao dr. Luiz Alexandre de Oliveira. Se a tomada da Santa Casa já foi ilegal, o que dizer, então, da atitude do prefeito ao designar como “escola municipal” um colégio que foi concebido e sempre funcionou como instituição privada?
Eu fui aluno do Osvaldo Cruz. Semanalmente, antes do início das aulas, ouvíamos as perorações apaixonadas do dr. Luiz Alexandre sobre o comportamento que deveríamos adotar como futuros cidadãos. Não dá para entender a decisão do prefeito. Reconhecido merecidamente, como um dos melhores administradores que a cidade já teve, nesse episódio da Santa Casa ele fez uma escolha que mancha sua trajetória política.
Em abril de 2013, por decisão judicial, a Associação Beneficente Santa Casa reassumirá o comando administrativo da instituição. Para isso, elaborou um projeto de gestão compartilhada que está sendo divulgado para outras entidades, tais como a Maçonaria e a Associação Comercial de Campo Grande. O objetivo é buscar a adesão de novos membros para o futuro conselho administrativo da Santa Casa. Representantes de classe dos médicos e dos enfermeiros também serão convidados para integrar o projeto. Em março a Associação se reuniu com o governador André Puccinelli, a fim de expor os detalhes do programa administrativo da nova diretoria da Santa Casa, recebendo o projeto com bastante simpatia e interesse.
No intuito de obter informações quanto à situação atual do hospital, a Associação Beneficente agendou uma reunião com o dr. Issam Moussa, presidente da junta interventora da Santa Casa, a quem foram solicitados documentos e informações da situação financeira e dos serviços prestados pelo hospital durante o período da intervenção do prefeito. O pedido foi negado pelos secretários de saúde do estado e do município.
Campo Grande precisa saber do que está acontecendo. A Associação Beneficente Santa Casa pretende realizar uma transição ordenada e responsável, para que se possa avaliar o que nos aguarda a partir de abril do ano que vem. A Associação se mantém firme no propósito de retomar a administração do hospital e do Colégio Osvaldo Cruz.

O grande tribuno romano Marco Túlio Cícero imortalizou esta expressão ao dirigir-se a Lúcio Sérgio Catilina, que pretendia se apossar do poder em Roma para usurpá-lo em causa própria. Catilina só não tomou o poder devido à oposição firme e continuada de Cícero em quatro discursos que ficaram conhecidos como As Catilinárias. Quo usque tandem é uma expressão que se aplica sempre que há exorbitância continuada e arrogante por parte de um administrador público. E bem se aplica quanto à questão da Santa Casa, em pleno século XXI aqui em Campo Grande: Quo usque tandem, Nelsinho, abutere patientia nostra? [Até quando, Nelsinho, abusarás da nossa paciência?] 

Não satisfeito com a “invasão” da Santa Casa, o prefeito Nelson Trad Filho extrapolou de suas atribuições ao tomar ilegalmente o prédio do Colégio Osvaldo Cruz, que havia sido doado em testamento pelo dr. Luiz Alexandre de Oliveira para a Associação Beneficente Santa Casa. Como se sabe, o Colégio Osvaldo Cruz sempre foi particular, desde que foi criado pelo prof. Enzo Ciantelli e depois vendido para Wilson Barbosa Martins e José Fragelli, que o revenderam ao dr. Luiz Alexandre de Oliveira.

Se a tomada da Santa Casa já foi ilegal, o que dizer, então, da atitude do prefeito ao designar como “escola municipal” um colégio que foi concebido e sempre funcionou como instituição privada?Eu fui aluno do Osvaldo Cruz. Semanalmente, antes do início das aulas, ouvíamos as perorações apaixonadas do dr. Luiz Alexandre sobre o comportamento que deveríamos adotar como futuros cidadãos.

Não dá para entender a decisão do prefeito. Reconhecido merecidamente, como um dos melhores administradores que a cidade já teve, nesse episódio da Santa Casa ele fez uma escolha que mancha sua trajetória política.  Em abril de 2013, por decisão judicial, a Associação Beneficente Santa Casa reassumirá o comando administrativo da instituição. Para isso, elaborou um projeto de gestão compartilhada que está sendo divulgado para outras entidades, tais como a Maçonaria e a Associação Comercial de Campo Grande. O objetivo é buscar a adesão de novos membros para o futuro conselho administrativo da Santa Casa. Representantes de classe dos médicos e dos enfermeiros também serão convidados para integrar o projeto.

Em março a Associação se reuniu com o governador André Puccinelli, a fim de expor os detalhes do programa administrativo da nova diretoria da Santa Casa, recebendo o projeto com bastante simpatia e interesse.

No intuito de obter informações quanto à situação atual do hospital, a Associação Beneficente agendou uma reunião com o dr. Issam Moussa, presidente da junta interventora da Santa Casa, a quem foram solicitados documentos e informações da situação financeira e dos serviços prestados pelo hospital durante o período da intervenção do prefeito. O pedido foi negado pelos secretários de saúde do estado e do município. 

Campo Grande precisa saber do que está acontecendo. A Associação Beneficente Santa Casa pretende realizar uma transição ordenada e responsável, para que se possa avaliar o que nos aguarda a partir de abril do ano que vem.

A Associação se mantém firme no propósito de retomar a administração do hospital e do Colégio Osvaldo Cruz.

Última atualização em Seg, 08 de Outubro de 2012 20:30
 
Nos tempos do Taveirópolis II PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Ter, 01 de Maio de 2012 00:00
Um pouco antes de mudarmos para o Bairro Taveirópolis, quando ainda morávamos no edifício Arnaldo Serra, apareceu um dia, uma moça pedindo emprego. O seu nome é Marta. Começou a trabalhar, relacionando-se muito bem com a Rosaria, minha mulher. Logo depois, quando nos mudamos, ao ver a localização da nossa nova casa, a Marta disse: “Eu não vou morar nessa lonjura”. Ficou 20 anos. E foi de fundamental importância na educação das nossas filhas. A Thaís, nossa filha caçula, tinha acabado de nascer. A Marta tornou-se membro da família. Somos padrinhos do seu primeiro filho, Rodrigo. Mais tarde, quando resolveu casar, trouxe de Nioaque sua mãe, da. Doralina para ficar em seu lugar. Elas são da etnia terena.  Dona Doralina nos chamava de compadres.
Quando nos casamos a Rosaria interrompeu seus estudos em função do casamento. Quando nossas filhas começaram a estudar, ela sempre ajudava nas tarefas e aos poucos foi readquirindo o gosto pelo estudo. Resolveu voltar a estudar no momento em que as crianças já estavam menos dependentes dela. A Comadre (da. Doralina) ao ver o empenho da Rosaria nos estudos, disse-lhe: “Comadre, a senhora pode estudar que eu tomo conta das crianças até a sua formatura”.
A Rosaria fez o cursinho no Objetivo Dom Bosco, passando no primeiro vestibular que prestou para serviço social, em 16º lugar, numa turma de 120 alunos. Uma semana depois da formatura, dona Doralina chegou para a Rosaria e disse: “Comadre, cumpri o meu compromisso, estou indo para Guia Lopes”. E para lá se foi.
No período em que trabalhou em nossa casa, aprendemos muito com ela. Fazia sempre questão de assistir ao Jornal Nacional. Quando se encerrava a transmissão – na época tinha como apresentadores Cid Moreira e Sérgio Chapelin –, ela sempre respondia ao boa noite deles. Eu também. Acontecia às vezes de assistir a previsão do tempo, olhando sempre para o céu. Uma vez ela disse: “Eu acho que essa moça não está falando a verdade, o que o senhor acha?”. Eu respondi: “Não sei”. E ela, de novo: “O senhor é doutor e não sabe?”. Era lógica do seu pensamento.
Ela era analfabeta e não sabia olhar as horas. Para saber a hora de começar a preparar o almoço olhava para o sol e assim se orientava.
Na primeira chuva do ano, se colocava em baixo de uma canaleta, de roupa, molhando-se inteiramente. Dizia que era para ter saúde o ano todo.
Tanto ela como a Marta são nossas amigas até hoje, e frequentemente estão conosco.

Um pouco antes de mudarmos para o Bairro Taveirópolis, quando ainda morávamos no edifício Arnaldo Serra, apareceu um dia, uma moça pedindo emprego. O seu nome é Marta. Começou a trabalhar, relacionando-se muito bem com a Rosaria, minha mulher. Logo depois, quando nos mudamos, ao ver a localização da nossa nova casa, a Marta disse: “Eu não vou morar nessa lonjura”. Ficou 20 anos. E foi de fundamental importância na educação das nossas filhas. A Thaís, nossa filha caçula, tinha acabado de nascer. A Marta tornou-se membro da família. Somos padrinhos do seu primeiro filho, Rodrigo.

 Mais tarde, quando resolveu casar, trouxe de Nioaque sua mãe, da. Doralina para ficar em seu lugar. Elas são da etnia terena.  Dona Doralina nos chamava de compadres. Quando nos casamos a Rosaria interrompeu seus estudos em função do casamento.

Quando nossas filhas começaram a estudar, ela sempre ajudava nas tarefas e aos poucos foi readquirindo o gosto pelo estudo. Resolveu voltar a estudar no momento em que as crianças já estavam menos dependentes dela. A Comadre (da. Doralina) ao ver o empenho da Rosaria nos estudos, disse-lhe: “Comadre, a senhora pode estudar que eu tomo conta das crianças até a sua formatura”. A Rosaria fez o cursinho no Objetivo Dom Bosco, passando no primeiro vestibular que prestou para serviço social, em 16º lugar, numa turma de 120 alunos.

Uma semana depois da formatura, dona Doralina chegou para a Rosaria e disse: “Comadre, cumpri o meu compromisso, estou indo para Guia Lopes”. E para lá se foi.

No período em que trabalhou em nossa casa, aprendemos muito com ela. Fazia sempre questão de assistir ao Jornal Nacional. Quando se encerrava a transmissão – na época tinha como apresentadores Cid Moreira e Sérgio Chapelin –, ela sempre respondia ao boa noite deles. Eu também.

Acontecia às vezes de assistir a previsão do tempo, olhando sempre para o céu. Uma vez ela disse: “Eu acho que essa moça não está falando a verdade, o que o senhor acha?”. Eu respondi: “Não sei”. E ela, de novo: “O senhor é doutor e não sabe?”. Era lógica do seu pensamento.Ela era analfabeta e não sabia olhar as horas. Para saber a hora de começar a preparar o almoço olhava para o sol e assim se orientava.

Na primeira chuva do ano, se colocava em baixo de uma canaleta, de roupa, molhando-se inteiramente. Dizia que era para ter saúde o ano todo.

Tanto ela como a Marta são nossas amigas até hoje, e frequentemente estão conosco.

Última atualização em Seg, 08 de Outubro de 2012 20:32
 
<< Início < Anterior 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 Próximo > Fim >>

Página 83 de 94

Redes sociais

Facebook 
Hjemmeside Wildberry Telefoni Internet