Área restrita



Quem está online

Nós temos 53 visitantes online
Tratado de Bem Viver III PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Ter, 10 de Janeiro de 2012 00:00

Dando sequência a este tema, apresento a seguir uma lista de gestos cotidianos, aparentemente involuntários, que permitem a interpretação de nossas intenções exprimidas em linguagem não-verbal.

 O que significam nossos gestos?

• Acariciar o queixo: reflexão antes de uma decisão.
• Cruzar os braços: atitude defensiva.
• Inclinar a cabeça para a frente: interesse pelo que se ouve.

• Entrelaçar os dedos: autoridade, espera por reações.
• Esfregar o olho: dúvida, incredulidade.
• Mexer no cabelo: insegurança ou desejo de seduzir.
• Comprimir os lábios: desconfiança ou desagrado.
• Levar a mão à bochecha: avaliação, reflexão.
• Levar as mãos aos quadris: disposição para fazer ou dizer algo importante, tomar coragem.
• Esfregar as mãos: antecipar algo que está por acontecer.
• Tamborilar os dedos das mãos ou os pés: impaciência, pressa.
• Olhar para o chão: não acreditar totalmente no que está ouvindo.
• Abrir as mãos com as palmas voltadas para cima: sinceridade, inocência.
• Cruzar as pernas, deixando um dos pés em movimento: chateação ou impaciência.
• Sentar-se na beira da cadeira: vontade de ir embora.
• Sentar-se com as pernas abertas: atitude relaxada.
• Unir os calcanhares: medo, apreensão.
E agora, uma dica para um passeio filosófico: Os grandes pensamentos podem ser concebidos durante uma caminhada:
1. Abra espaço na sua agenda para um encontro consigo mesmo, marcando dia e hora, a fim de que nenhuma obrigação ou compromisso possa interferir nesse propósito.
2. Escolha um lugar inspirador para você, seja por trazer lembranças especiais ou por produzir a sensação de bem-estar.
3. Escolha o dia e o horário menos frequentados, para evitar distrações durante o passeio.
4. Anote em um caderno as questões que o preocupam, para refletir sobre elas em seu encontro pessoal. Tome nota também das conclusões mais importantes a que chegar.
5. Não determine um horário para o fim do passeio: nunca se sabe aonde a filosofia pode nos levar. Simplesmente retorne quando sentir que o encontro chegou ao fim.
6. Os melhores lugares para um passeio filosófico são aqueles próximos à natureza, museus e mesmo uma parte da cidade que você ainda não conheça.
7. Use roupas confortáveis. A filosofia não exige formalidade, mas faz mover as pernas e as ideias.

 

Última atualização em Seg, 08 de Outubro de 2012 20:48
 
das formas de comunicação PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Sáb, 28 de Janeiro de 2012 00:00

A comunicação é uma das ferramentas mais marcantes e significativas no relacionamento entre os seres humanos. Permite a interação entre as pessoas quando bem aplicada, embora muitas vezes não seja necessariamente entendida porque se faz de forma complexa, dificultando a sua compreensão.
Quando o homem passou a conviver com o outro sentiu necessidade de emitir um sinal como expressão do pensamento e, uma vez compreendido, deu início à comunicação. É evidente que quem deu o start, sem sombra de dúvida, foi a mulher. Daí para frente a evolução se deu em progressão geométrica. Até hoje existem a comunicação não verbal e a verbal. A primeira permite, por meio da interpretação do comportamento, uma definição de situações e de intenções que se traduzem pela expressão facial e pelos gestos.

Tenho um amigo que foi gerente de banco. De tempos em tempos a diretoria do banco promovia encontros e palestras, visando o aperfeiçoamento do seu pessoal. Uma vez, ele me contou, um dos ensinamentos mais valiosos que aprendeu no curso é saber fazer a leitura do que os clientes transmitiam pelos gestos, pela expressão facial, muitas vezes mesmo sem falar. Entre os macetes que aprendeu, havia uma expressão que era a campeã.  Quando um cliente começasse uma frase com a expressão “Veja bem...”, era para ficar alerta porque o que viria a seguir, normalmente, seria uma tentativa de encobrir algo para lhe enganar. Ou de mascarar uma pretensão que não poderia ser manifestada explicitamente.
Aliás, se prestarmos atenção no nosso interlocutor também chegaremos à mesma conclusão. É impressionante como os políticos usam essa expressão. A cada momento estamos ouvindo-a. O ex-presidente Lula é o campeão no seu uso continuado. E se destaca como um dos grandes comunicadores, principalmente na “arte” da engrupição.
 Maquiavel, em sua obra prima, O Príncipe, retratou de forma magistral os procedimentos a serem observados por aqueles que pretendem o poder, ou viver ao seu abrigo. É interessante como muitos dos políticos, mesmo não conhecendo esse livro, comportam-se da maneira por ele preconizada. Parece que é uma energia que envolve os políticos e se irradia por todo o planeta, é a chamada sincronicidade.
Por que será que esse vírus disseminado por todos os lugares se inocula especialmente na encarnação dos políticos e se manifesta através dos tempos, influindo negativamente no comportamento deles?
Na filosofia chinesa existe um tratado denominado Tao Te KIng onde se registrou todo o ensinamento do homem considerado um dos mais sábios de todos os tempos, Lao Tsé. Dentre os 81 aforismos que compõem essa filosofia, há um que ensina a agir pelo não agir, e cujo conceito, quando se alcança o seu significado, orienta de forma sábia o comportamento das pessoas. Sempre com fundamento numa verdade e com um fundo moral.
 E é essa prática que deveria nortear a comunicação, não só dos políticos, mas de todos nós.

 

Última atualização em Seg, 08 de Outubro de 2012 20:49
 
compaixão PDF Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Freire   
Ter, 14 de Fevereiro de 2012 00:00

Um dos mais significativos sentimentos do ser humano é a compaixão. É algo que flui do íntimo do coração e se irradia para todos e para tudo. Passa a impregnar o todo do ser compassivo. Representa a solidariedade em sua mais elevada manifestação. É uma disposição ativa que traz apoio na aflição. A sua semente está plantada na natureza interior do ser humano.
E quando esse sentimento se manifesta num homem público, atinge um patamar mais alto, porque pela sua ação natural ela se desenvolve com o seu exemplo e envolve a todos os que são abrangidos pela sua atividade.

A compaixão e a finalidade de criar uma sociedade mais justa, com a inclusão de cidadãos menos favorecidos, inspiraram a criação de uma instituição que muito honra a nossa cidade: o Instituto Luther King. A sua estratégia de trabalho é estabelecida em 8 passos: sonhar, partilhar, reunir, planejar, legalizar, articular, executar e avaliar. E se a estratégia está muito bem estabelecida, é muito melhor executada.
O resultado se mede pelas suas realizações concretas: O número de alunos aprovados nas mais diversas universidades e faculdades do nosso estado. Nos últimos 3 anos, cerca de 200 alunos preparados pelo Instituto conquistaram essa vitória. Mas a campeã absoluta em aprovações no vestibular é Walkíria Aparecida Benites, que em 2010, passou para pedagogia na UNAES e no IESF. Em 2011, foi aprovada em ciências biológicas na Estácio de Sá, na UCDB e na UFGD e em fisioterapia e educação física no IESF. Detalhe que enaltece e engrandece a conquista da Walkíria: ela é gari.
Entre os valores que o Instituto considera indispensáveis ao aprimoramento da personalidade estão a auto-estima e a solidariedade, firmando a consciência de integração e igualdade de membros de todas as classes sociais, eliminando o preconceito e abrindo portas para as minorias sociais.
Uma obra dessa natureza, naturalmente tem um homem da estatura moral e da estirpe de Aleixo Paraguassu Netto como seu idealizador, inspirador e executor. Imbuído desse ideal maior, conseguiu sensibilizar e conquistar muitas outras pessoas que se uniram a ele para viabilizar e executar essa obra, tornando-se motivo de justo orgulho de todos os cidadãos de Campo Grande.
O doutor Paraguassu com a simplicidade que caracteriza a sua personalidade, é o grande líder e impulsionador das conquistas do Instituto Luther King. Segundo Aristóteles, a virtude decorre de duas espécies, a intelectual e moral. A primeira é gerada e cresce graças ao ensino – por isso requer experiência e tempo. Já a virtude moral é adquirida em resultado do hábito. Aí é que se encaixa com perfeição o exemplo do dr. Paraguassu. Parabéns doutor! Saiba que a sua obra se perpetuará na consciência de todos. A maior herança que uma pessoa pode deixar é essa: a confirmação de um trabalho voltado para o aperfeiçoamento constante do ser humano.

Última atualização em Seg, 08 de Outubro de 2012 20:50
 
<< Início < Anterior 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 Próximo > Fim >>

Página 83 de 90

Redes sociais

Facebook 
Hjemmeside Wildberry Telefoni Internet