Área restrita



Quem está online

Nós temos 13 visitantes online
Na fila PDF Imprimir E-mail

A partir do momento em que passei a me dedicar ao hábito de escrever, fui identificando em mim um senso de observação acurado, prestando mais atenção ao que acontece ao meu redor e passei a registrar alguns fatos que anteriormente me passavam despercebidos.
A responsabilidade decorrente do ato de escrever, aliada ao interesse de proporcionar aos leitores uma visão clara do que pretendo me leva, naturalmente, a um cuidado quanto aos temas e à forma de expressar o meu entendimento, pois o ato de escrever é uma arte que exige atenção especial, porque, para mim, cada artigo é uma obra a que dedico o meu tempo e o meu conhecimento.

Assim, cada texto merece uma formalidade, um molde, como se fosse uma escultura, com a busca cuidadosa das palavras para proporcionar ao leitor maior clareza de entendimento. Valho-me com frequência do Dicionário Analógico da Língua Portuguesa de Francisco Ferreira dos Santos Azevedo.
Dentro do nosso comportamento habitual – fruto da minha observação –, há uma situação a que todos nós nos subordinamos, mas para a qual muitas vezes não damos atenção: agimos automaticamente porque certas coisas estão tão entronizadas em nosso cotidiano que já nos acostumamos a elas. Refiro-me às filas. Hoje e sempre há fila para tudo: para os bancos, para os caixas, lotéricas, supermercados, ônibus, consultas, enfim para todas as nossas atividades lá está ela, impávida: sua majestade, a fila. Que nos proporciona a todos também uma oportunidade de exercitarmos em primeiro lugar a educação e em segundo a paciência, e por último e não menos importante, a civilidade.
O comportamento das pessoas nas filas também nos permite um aprendizado: às vezes, arrogante, às vezes autoritário, às vezes na simplicidade, na humildade, sendo sempre um fator de crescimento espiritual. Existe uma teoria de que a fila vizinha anda mais rápido do que aquela em que nós estamos. Se mudarmos de fila, a anterior vai andar mais rápido. É sempre assim. Por quê? Não sei.
Há também as filas preferenciais para idosos e para deficientes físicos. Eu sempre fico observando, porque embora às vezes a fila preferencial esteja menor do que a convencional, nem sempre é a melhor decisão usá-la, porque alguns idosos já sem o que fazer são utilizados pelos parentes para pagar todo e qualquer tipo de compromisso. Assim, quando abrem a bolsa, começam a tirar carnês infinitos de pagamento das mais diversas modalidades, cansando os que estavam com a esperança de um atendimento mais rápido.
A questão das filas é tão importante que mereceu um estudo técnico-científico do professor Luciano Cajado Costa, professor-substituto da Universidade Federal do Maranhão, do curso de Ciência da Computação, com o título de “Teoria das Filas e Simulação”. O texto é longo: mais de 90 páginas, através das quais ele formula a teoria e a embasa em fórmulas matemáticas da mais alta complexidade de difícil entendimento para um leigo como eu.
Para que se tenha uma ideia do quanto é intricada a questão, transcrevo a seguir algumas de suas considerações, evidentemente sem chegar às suas formulações matemáticas:
“Todas as pessoas já passaram pelo aborrecimento de ter que esperar em filas (algumas conclusões chegam à obviedade do óbvio). As formações de filas ocorrem porque a procura pelo serviço é maior do que a capacidade do sistema de atender a esta procura. Dessa forma, a Teoria das Filas tenta através de análises matemáticas detalhadas encontrar um ponto de equilíbrio que satisfaça o cliente e seja viável economicamente para o provedor do serviço.
“Na maioria dos casos, seis características básicas de processos de filas fornecem uma descrição adequada de um sistema de filas: (1) padrão de chegada dos clientes, (2) padrão de serviço dos servidores, (3) disciplina de filas, (4) capacidade do sistema, (5) número de canais de serviço e (6) número de estágio de serviços.
“Nos processos de filas comuns, os processos de chegadas são estocásticos, (viram só? È isso que dá querer mexer com cientistas), ou seja, desenvolvem-se no tempo e no espaço conforme leis de probabilidade. Assim, é necessário conhecer a distribuição de probabilidade descrevendo os tempos entre as sucessivas chegadas dos clientes (tempos de interchegada).
“Um fator final que pode ser considerado apesar do padrão de chegada é a maneira no qual o padrão muda com o tempo. Um padrão de chegada que não muda com o tempo (ou seja, que a distribuição de probabilidade descrevendo o processo de chegada é independente do tempo) é chamado padrão de chegada estacionário. Um que não é independente do tempo é chamado não-estacionário”.
Como podem perceber, caros leitores, a questão da fila não é tão simples quanto parecia para um simples escrevedor. Para finalizar, há uma fila da qual ninguém escapa: a fila da morte. Desde que nascemos, entramos nela e não sabemos quando nem como vamos sair, mas que vamos sair isso vamos, mais cedo ou mais tarde. Faz parte.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Redes sociais

Facebook 
Hjemmeside Wildberry Telefoni Internet