Área restrita



Quem está online

Nós temos 34 visitantes online
Das coisas inanimadas PDF Imprimir E-mail
DAS COISAS INANIMADAS
Nós vivemos imersos em um mundo cheio de pessoas, coisas, cheiros, sons, movimento e gostos e, envolvidos pelos nossos sentimentos, desejos, objetivos e projetos, poucas vezes nos damos conta da realidade que nos circunda.
Como nosso foco é sempre voltado para o que nos interessa no momento, deixamos de perceber um universo de energias e de situações que nos cercam e que são muito importantes, para as quais não damos a menor importância, de um modo geral.
Refiro-me às coisas inanimadas. Inanimadas? Por quê? Porque não têm movimento aparente? Existe algo no universo que permaneça inerte? Inanimado? Objeto que não tenha alma, que não tenha vida?
No meu entendimento tudo está conectado. Não há nada fora da vibração divina. Assim, tudo vibra, tudo tem vida, tudo tem energia e como tal, tudo tem uma espécie de consciência. É indispensável que tenhamos respeito por tudo que nos cerca. E que procuremos entender a função das coisas inanimadas para que possamos vibrar juntamente com elas e nos beneficiarmos disso.
Dentre os princípios herméticos, que são sete, codificados por Hermes Trismegisto, rei, sacerdote e juiz no Egito Antigo, o princípio de vibração é o terceiro: “Nada está parado, tudo se move, tudo vibra”. Nada neste mundo está em repouso, tudo está em constante movimento. Tudo tem a sua infinita vibração, embora algumas coisas pareçam estar em repouso, na verdade estão dentro de um universo que não para de vibrar.
Um acontecimento bíblico, mencionado por Michael Berg (acadêmico, professor, co-diretor do Kabbalah Centre), editor da primeira tradução do Zohar em inglês (Sefer ha-Zohar – o Livro do Esplendor – sem sombra de dúvida, a obra principal e mais sagrada da Cabalá, a dimensão mística do judaísmo), ilustra bem essa afirmação: Quando Moisés recebeu a incumbência de salvar seu povo, o primeiro ato foi o da transformação das águas do rio Nilo em sangue, e quem golpeou o Nilo com a vara de Moisés foi Aarão, seu irmão. Moisés não poderia fazê-lo porque estaria demonstrando ingratidão com o rio que o acolheu e protegeu.
Isto porque, como se sabe, quando Moisés era bebê foi colocado numa cesta por sua mãe na correnteza do rio, para fugir do decreto faraônico que determinava que os varões nascidos da descendência judaica deveriam ser sacrificados. O Nilo o acolheu e lhe deu guarida até que fosse encontrado pela irmã do faraó, que o adotou.
Segundo os judeus, todo o reino dos objetos inanimados está em constante comunicação com ele mesmo, assim como com todas as coisas vivas. Portanto, é tremendamente importante que nunca haja um momento em que desrespeitemos qualquer coisa no mundo inanimado.
Podemos ler isto e pensar: “Que possíveis sentimentos pode ter o rio Nilo? Será que realmente os sentimentos do rio Nilo ficariam feridos se Moisés os golpeasse? Mas a verdade é que uma consciência muito importante está sendo revelada para nós aqui, consciência que também podemos ver no trabalho a cada Shabat”.
A consciência de Moisés com relação ao rio Nilo, portanto, desperta em nós o entendimento de que há consciência em tudo no nosso mundo. Todos os objetos — animados e inanimados — estão interligados através de uma rede de energia e luz. Não foram só as águas do Nilo que salvaram Moisés quando ele estava flutuando rio abaixo, ainda bebê; foram também a energia e a luz que existem dentro do Nilo que o salvaram.
Precisamos da ajuda de tudo, inclusive das coisas inanimadas. E o Zohar diz que, assim como nossas paredes pensam em nós, assim também o fazem nossas roupas e todas as outras coisas. Esses objetos inanimados podem nos amparar, por isso não devemos fazer-lhes nenhum mal. A maioria de nós, no entanto, nem sequer está ciente de como os objetos inanimados são necessários para o nosso próprio desenvolvimento e crescimento espiritual.
Como é complexo e fascinante o mundo em que vivemos. E como é importante procurar conhecê-lo, reconhecê-lo e considerá-lo para que possamos interagir com ele e assim vivermos com consciência e alegria.
Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado

Nós vivemos imersos em um mundo cheio de pessoas, coisas, cheiros, sons, movimento e gostos e, envolvidos pelos nossos sentimentos, desejos, objetivos e projetos, poucas vezes nos damos conta da realidade que nos circunda.

Como nosso foco é sempre voltado para o que nos interessa no momento, deixamos de perceber um universo de energias e de situações que nos cercam e que são muito importantes, para as quais não damos a menor importância, de um modo geral.

Refiro-me às coisas inanimadas. Inanimadas? Por quê? Porque não têm movimento aparente? Existe algo no universo que permaneça inerte? Inanimado? Objeto que não tenha alma, que não tenha vida?

No meu entendimento tudo está conectado. Não há nada fora da vibração divina. Assim, tudo vibra, tudo tem vida, tudo tem energia e como tal, tudo tem uma espécie de consciência. É indispensável que tenhamos respeito por tudo que nos cerca. E que procuremos entender a função das coisas inanimadas para que possamos vibrar juntamente com elas e nos beneficiarmos disso.

Dentre os princípios herméticos, que são sete, codificados por Hermes Trismegisto, rei, sacerdote e juiz no Egito Antigo, o princípio de vibração é o terceiro: “Nada está parado, tudo se move, tudo vibra”. Nada neste mundo está em repouso, tudo está em constante movimento. Tudo tem a sua infinita vibração, embora algumas coisas pareçam estar em repouso, na verdade estão dentro de um universo que não para de vibrar.  

Um acontecimento bíblico, mencionado por Michael Berg (acadêmico, professor, co-diretor do Kabbalah Centre), editor da primeira tradução do Zohar em inglês (Sefer ha-Zohar – o Livro do Esplendor – sem sombra de dúvida, a obra principal e mais sagrada da Cabalá, a dimensão mística do judaísmo), ilustra bem essa afirmação: Quando Moisés recebeu a incumbência de salvar seu povo, o primeiro ato foi o da transformação das águas do rio Nilo em sangue, e quem golpeou o Nilo com a vara de Moisés foi Aarão, seu irmão. Moisés não poderia fazê-lo porque estaria demonstrando ingratidão com o rio que o acolheu e protegeu. 

Isto porque, como se sabe, quando Moisés era bebê foi colocado numa cesta por sua mãe na correnteza do rio, para fugir do decreto faraônico que determinava que os varões nascidos da descendência judaica deveriam ser sacrificados. O Nilo o acolheu e lhe deu guarida até que fosse encontrado pela irmã do faraó, que o adotou. 

Segundo os judeus, todo o reino dos objetos inanimados está em constante comunicação com ele mesmo, assim como com todas as coisas vivas. Portanto, é tremendamente importante que nunca haja um momento em que desrespeitemos qualquer coisa no mundo inanimado. Podemos ler isto e pensar: “Que possíveis sentimentos pode ter o rio Nilo? Será que realmente os sentimentos do rio Nilo ficariam feridos se Moisés os golpeasse? Mas a verdade é que uma consciência muito importante está sendo revelada para nós aqui, consciência que também podemos ver no trabalho a cada Shabat”.

A consciência de Moisés com relação ao rio Nilo, portanto, desperta em nós o entendimento de que há consciência em tudo no nosso mundo. Todos os objetos — animados e inanimados — estão interligados através de uma rede de energia e luz. Não foram só as águas do Nilo que salvaram Moisés quando ele estava flutuando rio abaixo, ainda bebê; foram também a energia e a luz que existem dentro do Nilo que o salvaram.

Precisamos da ajuda de tudo, inclusive das coisas inanimadas. E o Zohar diz que, assim como nossas paredes pensam em nós, assim também o fazem nossas roupas e todas as outras coisas. Esses objetos inanimados podem nos amparar, por isso não devemos fazer-lhes nenhum mal. A maioria de nós, no entanto, nem sequer está ciente de como os objetos inanimados são necessários para o nosso próprio desenvolvimento e crescimento espiritual.

Como é complexo e fascinante o mundo em que vivemos. E como é importante procurar conhecê-lo, reconhecê-lo e considerá-lo para que possamos interagir com ele e assim vivermos com consciência e alegria.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Redes sociais

Facebook 
Hjemmeside Wildberry Telefoni Internet