Área restrita



Quem está online

Nós temos 37 visitantes online
Os sétuplos americanos PDF Imprimir E-mail
OS SÉTUPLOS AMERICANOS
A vida proporciona a cada um situações inusitadas que são, naturalmente, oportunidades para o crescimento interior e a evolução individual. O que falta é o entendimento e a coragem para encarar essas situações como elas se apresentam.
Como exemplo do que afirmo acima, refiro-me ao casal norte-americano Bobbie e Kenneth McCaughey. Eles tinham uma filha, Mikayla, com menos de dois anos de idade e decidiram ter um segundo filho, optando por um tratamento de fertilização artificial. Bobbie engravidou e pouco tempo depois foram informados pelo médico que sete embriões tinham vingado.
O médico sugeriu que houvesse uma redução seletiva para diminuir o número de bebês. Era uma orientação técnica. Nesse momento, Bobbie  manifestou  sua fé profunda. Não aceitou a sugestão do médico, disse que confiava em Deus e se Ele tinha lhe proporcionado essa oportunidade, ela iria aproveitá-la da melhor maneira possível.
Bobbie soube encarar muito bem essa tarefa, entendendo o que representa a oportunidade dada à mulher de contribuir com a missão divina que lhe foi concedida por Deus. Teve plena consciência da condição da maternidade.
Foi uma gestação muito difícil, como era de se supor. Bobbie ficou deitada durante todo o período da gravidez, com alimentação controlada. Nos três últimos meses viveu num hospital, sendo monitorada 24 horas por dia.
Para surpresa dos médicos, a gestação chegou aos 7,5 meses e os bebês nasceram por cesariana (3 meninas e 4 meninos) no dia 19 de novembro de 1997. Embora muito fraquinhos, todos sobreviveram. E assim Bobbie deu a luz a Kenneth Robert, Alexis May, Natalie Sue, Kelsey Ann, Nathan Roy, James Brandon e Joel Steven. O nascimento dos sete bebês foi um acontecimento de repercussão mundial. Tão importante que até mesmo o presidente dos Estados Unidos à época, Bill Clinton, foi visitá-los.
Duas das sete crianças nasceram com certo grau de paralisia cerebral, mas foram submetidas a cirurgia e puderam crescer com saúde.
A divulgação do nascimento dos sétuplos gerou uma corrente de solidariedade muito significativa. Se o nascimento de uma criança já traz muitas mudanças, imaginem sete de uma só vez, de uma só mãe. De imediato, muitas doações começaram a chegar de todas as partes dos Estados Unidos.
Muitas pessoas entenderam a dificuldade da família para criar oito crianças – incluindo a filha mais velha – ao mesmo tempo. Assim, muitos amigos, familiares, empresas e instituições de caridade deram uma mãozinha ao casal. Eles receberam uma casa com 511 metros quadrados num terreno com 1.600 m² de área, uma van, doações de alimentos por um ano e fraldas para os dois primeiros anos, além de bolsas integrais para o estudo das sete crianças e para qualquer universidade de Iowa, seu estado natal. Nos primeiros meses, os bebês usavam 52 fraldas por dia e tomavam 42 mamadeiras.
Como o terreno da casa era bastante amplo, o casal McCaughey decidiu aproveitá-lo da melhor maneira possível, plantando uma horta e um pomar para diminuir as despesas de alimentação, tendo sempre em mente o combate ao desperdício e o melhor uso dos meios de que dispunham.
Hoje, aos 21 anos de idade, os sétuplos confirmam a fé de Bobbie, pois estão quase todos formados e encaminhados profissionalmente. A vida deles foi uma epopeia, com muita luta e dificuldades constantes a serem vencidas.
Hoje quando muito se discute a questão da legalização do aborto, destaca-se de forma proeminente o exemplo de Bobbie. Como sabemos, a questão do aborto é muito complexa, mas no meu entendimento, respeitando as opiniões contrárias, ela não deve ficar circunscrita unicamente quanto à legalidade, descurando do principal que é a espiritualidade..
Fica o registro como exemplo a ser seguido.
Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

A vida proporciona a cada um situações inusitadas que são, naturalmente, oportunidades para o crescimento interior e a evolução individual. O que falta é o entendimento e a coragem para encarar essas situações como elas se apresentam.

Como exemplo do que afirmo acima, refiro-me ao casal norte-americano Bobbie e Kenneth McCaughey. Eles tinham uma filha, Mikayla, com menos de dois anos de idade e decidiram ter um segundo filho, optando por um tratamento de fertilização artificial. Bobbie engravidou e pouco tempo depois foram informados pelo médico que sete embriões tinham vingado.

O médico sugeriu que houvesse uma redução seletiva para diminuir o número de bebês. Era uma orientação técnica. Nesse momento, Bobbie  manifestou  sua fé profunda. Não aceitou a sugestão do médico, disse que confiava em Deus e se Ele tinha lhe proporcionado essa oportunidade, ela iria aproveitá-la da melhor maneira possível. Bobbie soube encarar muito bem essa tarefa, entendendo o que representa a oportunidade dada à mulher de contribuir com a missão divina que lhe foi concedida por Deus. Teve plena consciência da condição da maternidade.

 

Foi uma gestação muito difícil, como era de se supor. Bobbie ficou deitada durante todo o período da gravidez, com alimentação controlada. Nos três últimos meses viveu num hospital, sendo monitorada 24 horas por dia.Para surpresa dos médicos, a gestação chegou aos 7,5 meses e os bebês nasceram por cesariana (3 meninas e 4 meninos) no dia 19 de novembro de 1997. Embora muito fraquinhos, todos sobreviveram. E assim Bobbie deu a luz a Kenneth Robert, Alexis May, Natalie Sue, Kelsey Ann, Nathan Roy, James Brandon e Joel Steven. O nascimento dos sete bebês foi um acontecimento de repercussão mundial. Tão importante que até mesmo o presidente dos Estados Unidos à época, Bill Clinton, foi visitá-los.

Duas das sete crianças nasceram com certo grau de paralisia cerebral, mas foram submetidas a cirurgia e puderam crescer com saúde.

A divulgação do nascimento dos sétuplos gerou uma corrente de solidariedade muito significativa. Se o nascimento de uma criança já traz muitas mudanças, imaginem sete de uma só vez, de uma só mãe. De imediato, muitas doações começaram a chegar de todas as partes dos Estados Unidos. Muitas pessoas entenderam a dificuldade da família para criar oito crianças – incluindo a filha mais velha – ao mesmo tempo. Assim, muitos amigos, familiares, empresas e instituições de caridade deram uma mãozinha ao casal. Eles receberam uma casa com 511 metros quadrados num terreno com 1.600 m² de área, uma van, doações de alimentos por um ano e fraldas para os dois primeiros anos, além de bolsas integrais para o estudo das sete crianças e para qualquer universidade de Iowa, seu estado natal. Nos primeiros meses, os bebês usavam 52 fraldas por dia e tomavam 42 mamadeiras.

Como o terreno da casa era bastante amplo, o casal McCaughey decidiu aproveitá-lo da melhor maneira possível, plantando uma horta e um pomar para diminuir as despesas de alimentação, tendo sempre em mente o combate ao desperdício e o melhor uso dos meios de que dispunham.

Hoje, aos 21 anos de idade, os sétuplos confirmam a fé de Bobbie, pois estão quase todos formados e encaminhados profissionalmente. A vida deles foi uma epopeia, com muita luta e dificuldades constantes a serem vencidas. 

Hoje quando muito se discute a questão da legalização do aborto, destaca-se de forma proeminente o exemplo de Bobbie.

Como sabemos, a questão do aborto é muito complexa, mas no meu entendimento, respeitando as opiniões contrárias, ela não deve ficar circunscrita unicamente quanto à legalidade, descurando do principal que é a espiritualidade..

Fica o registro como exemplo a ser seguido.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Redes sociais

Facebook 
Hjemmeside Wildberry Telefoni Internet