Categorias
Heitor Freire

O Nó Gordio

O nó górdio era um enigma que se apresentava aos homens da Antiguidade, desafiando a argúcia, a inteligência e a capacidade de cada um, prometendo-se  àquele que ousasse elucidá-lo, desatá-lo, a conquista da Ásia Menor.
Dizia a lenda que o rei da Frígia morreu sem deixar herdeiro e que, ao ser consultado, o Oráculo anunciou que o próximo rei chegaria à cidade num carro de bois. A profecia foi cumprida por um camponês, de nome Górdio, que foi coroado. Para não esquecer de seu passado humilde ele colocou a carroça, com a qual ganhou a coroa, no templo de Zeus, e a amarrou com um nó a uma coluna, nó este aparentemente impossível de desatar.
Górdio reinou por muito tempo, e quando morreu, seu filho Midas assumiu o trono. Midas expandiu o império, porém não deixou herdeiros. O Oráculo foi ouvido novamente e declarou que quem desatasse o nó de Górdio dominaria toda a Ásia Menor.
O nó górdio remonta ao século VIII a.C.
Quinhentos anos depois, em 334 a.C., Alexandre Magno se viu desafiado a desatá-lo. Após uma minuciosa análise, desembainhou a espada e cortou o nó górdio. Ao cortá-lo e não desatá-lo, Alexandre não cumpriu o desafio, que, dizia a lenda, daria a quem o fizesse, o domínio de toda a Ásia Menor, que ele conquistou, mas teve uma morte prematura, aos 33 anos. Assim a sua vitória teve uma curta duração, ele praticamente não desfrutou do seu triunfo.
A questão básica é que não adianta usar de esperteza. E isso vale para tudo na vida. Cada um de nós tem um nó górdio para desatar. E não adianta usar de estratagemas, buscando soluções paliativas, dar um jeito, que não vai resolver a questão. O nó tem de ser desatado mesmo. E com muito conhecimento e sabedoria.
A questão é complexa. Só o fato de saber da existência desse nó, desse enigma,  já nos dá uma vantagem muito grande, pois passamos a entender uma realidade que a poucos é permitido conhecer.
A decifração do enigma não tem tempo para ser elucidada. Pode demorar milênios. Mas, fatalmente chegará o momento em que cada um se verá confrontado com essa situação. A preparação para esse momento culminante leva muitas encarnações. Ou não. Como tudo na vida, depende de cada um. Da sua formação, do seu trabalho interior, do seu autoconhecimento.
Um ponto a ser destacado é que a questão não é complicada. Volto a dizer, é complexa. Há uma grande diferença entre complicação e complexidade. Hoje é muito comum ouvirmos a cada momento: “Isso é complicado”. As pessoas repetem esta expressão, mecanicamente, automaticamente, sem prestar atenção ao que estão dizendo, ante qualquer problema que surge. E assim acabam complicando mesmo pelo mau uso da palavra. Complexo quer dizer que é algo composto de muitos fatores ligados entre si, em torno de um ponto central.
William Shakespeare já disse por intermédio de Hamlet: “Há mais coisas entre o céu e a terra, do que supõe nossa vã filosofia”, sintetizando dessa forma magistral, um entendimento dos grandes e variados desafios que todos nós devemos encarar.
“Se compreendes, as coisas são como são; se não compreendes, as coisas são como são”. Este princípio da ciência esotérica nos mostra que não adianta fugir da questão. O fato de não aceitarmos ou não compreendermos os mistérios da vida, da existência, não nos desonerará, não nos livrará dos seus efeitos.
Assim, por uma questão de inteligência é melhor encará-los mesmo que isso represente algo aparentemente insuperável. Porque na realidade, todos nós temos também o conhecimento indispensável para superar qualquer situação, condição que nos foi dada pelo nosso Pai Altíssimo. Mas é preciso ter a coragem e a confiança para não fugir dos problemas e resolvê-los.
Um dos primeiros passos, é começar a nos desligar dos laços que nos prendem às mais diferentes religiões. Porque todas se apresentam como o único caminho.
No livro “Aos pés do Mestre”, foi apresentado a Krishnamurti os quatro passos que  levam ao caminho da libertação: discernimento, desapego, boa conduta e amor.
Discernimento é a capacidade de decidir o que fazer ou não fazer.
Desapego é a libertação de todas as formas de apego: religião, família, trabalho. O que não quer dizer que devamos  desprezá-las. Mas usar o discernimento.
Boa conduta é a  ação consciente e verdadeira que orienta todos os nossos atos.
O amor é o elemento que coroa tudo isso.
Estes conceitos aqui apresentados são fruto de uma investigação e meditação que ao longo da minha vida tenho praticado e que agora compartilho com os meus leitores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *