Categorias
Heitor Freire

Alô,alô

ALÔ, ALÔ
O comportamento do ser humano varia no tempo e no espaço, e vai se cristalizando por meio de atos que, de tão repetidos, acabam se constituindo nos chamados “usos e costumes”.
No campo jurídico, o hábito de empregar a mesma regra sempre que se repete a mesma situação, e de segui-la como legítima e obrigatória, é que constitui o costume.
Assim, para que um costume seja reconhecido como tal é preciso:
a) que seja contínuo: fatos esporádicos, que se verificam uma vez ou outra não são considerados costumes;
b) que seja constante, vale dizer: a repetição dos fatos deve ser diuturna, sem dúvidas, sem alteração;
c) que seja moral: o costume não pode contrariar a moral ou os bons hábitos;
d) que seja obrigatório, isto é, que não seja facultativo, sujeito à vontade das partes interessadas.
Os costumes são a maneira cultural de uma sociedade se manifestar. A partir da repetição, tornam-se regras que, embora não oficialmente estabelecidas como as leis, passam a ser observáveis pela própria constituição de fato da vida social e, ao longo do tempo transformam-se nos já mencionados usos e costumes que representam a primeira fonte do direito.
Estas ações da mesma espécie compõem a héxis descrita por Aristóteles como uma disposição prática, permanente e costumeira, automática, e muito provavelmente despercebida.
Com essa introdução um tanto formal, passamos para o verdadeiro motivo deste artigo.
Nessa questão do costume há, naturalmente, em cada local uma maneira de agir. A título de curiosidade, no Alasca, os esquimós ao receberem a visita de um homem pela primeira vez, oferecem a sua mulher para dormir com o visitante que não pode recusar a oferta, sob pena de ofender gravemente os hospedeiros.
Mas passando agora para um costume que todos nós repetimos inconsciente e mecanicamente, sem pensar, está a forma de atender ao telefone: Alô. O que quer dizer “alô” e de onde surgiu esse costume?
Quando o escocês Alexander Graham Bell patenteou o telefone, em 1876, queria que todo mundo atendesse o aparelho dizendo “ahoy”, uma saudação náutica. Nessa época, uma preocupação geral era como cada interlocutor iria saber que o outro queria falar.
Mas em 1877, Thomas Edison sugeriu que um simples “hello” (olá) já resolveria o impasse. Por ser uma saudação mais comum do que “ahoy”, o “hello” acabou pegando mais rápido.
É interessante notar que “hello” já era utilizado como saudação bem antes da invenção do telefone como se vê no livro Roughing It de Mark Twain escrito entre 1870 e 1871.
Conta-se que quando o telefone foi apresentado em uma feira de invenções, nosso imperador D. Pedro II, que foi especialmente para isso aos EUA, se interessou pelo aparelho. Levantou o fone e disse: alô. Na época esta palavra era usada como se usa hoje olá. No dia seguinte os jornais publicaram: “O imperador do Brasil disse alô ao telefone”. Foi assim que uma palavra da língua portuguesa entrou em todas as línguas do mundo.
Segundo informações da revista Mundo Estranho, publicação n° 137, o mais provável é que a palavra derive do termo húngaro “hallod”, que significa: está me ouvindo? O alô em português é uma tradução direta.
Na Rússia, segundo consta, também dizem “alô”, e não “hello”, como seria de se esperar se a origem fosse americana, como alguns disseram. O Brasil foi um dos primeiros países a adotar o telefone.
Falamos “alô” porque em análise gramatical essa palavra é uma interjeição. E quer dizer exatamente que é uma expressão que serve para chamar a atenção, pode ser uma saudação e exprime surpresa: “Tem alguém aí?”
Para finalizar, em Portugal, quem liga diz: “Está lá?” E o interlocutor responde: “Estou cá”.
Heitor Freire – Corretor de imóveis e advogado.

O comportamento do ser humano varia no tempo e no espaço, e vai se cristalizando por meio de atos que, de tão repetidos, acabam se constituindo nos chamados “usos e costumes”.

No campo jurídico, o hábito de empregar a mesma regra sempre que se repete a mesma situação, e de segui-la como legítima e obrigatória, é que constitui o costume.

Assim, para que um costume seja reconhecido como tal é preciso: 

a) que seja contínuo: fatos esporádicos, que se verificam uma vez ou outra não são considerados costumes; 

b) que seja constante, vale dizer: a repetição dos fatos deve ser diuturna, sem dúvidas, sem alteração; 

c) que seja moral: o costume não pode contrariar a moral ou os bons hábitos; 

d) que seja obrigatório, isto é, que não seja facultativo, sujeito à vontade das partes interessadas.

Os costumes são a maneira cultural de uma sociedade se manifestar. A partir da repetição, tornam-se regras que, embora não oficialmente estabelecidas como as leis, passam a ser observáveis pela própria constituição de fato da vida social e, ao longo do tempo transformam-se nos já mencionados usos e costumes que representam a primeira fonte do direito.

Estas ações da mesma espécie compõem a héxis descrita por Aristóteles como uma disposição prática, permanente e costumeira, automática, e muito provavelmente despercebida. 

Com essa introdução um tanto formal, passamos para o verdadeiro motivo deste artigo.

Nessa questão do costume há, naturalmente, em cada local uma maneira de agir. A título de curiosidade, no Alasca, os esquimós ao receberem a visita de um homem pela primeira vez, oferecem a sua mulher para dormir com o visitante que não pode recusar a oferta, sob pena de ofender gravemente os hospedeiros.

Mas passando agora para um costume que todos nós repetimos inconsciente e mecanicamente, sem pensar, está a forma de atender ao telefone: Alô. O que quer dizer “alô” e de onde surgiu esse costume? 

Quando o escocês Alexander Graham Bell patenteou o telefone, em 1876, queria que todo mundo atendesse o aparelho dizendo “ahoy”, uma saudação náutica. Nessa época, uma preocupação geral era como cada interlocutor iria saber que o outro queria falar.

Mas em 1877, Thomas Edison sugeriu que um simples “hello” (olá) já resolveria o impasse. Por ser uma saudação mais comum do que “ahoy”, o “hello” acabou pegando mais rápido. 

É interessante notar que “hello” já era utilizado como saudação bem antes da invenção do telefone como se vê no livro Roughing It de Mark Twain escrito entre 1870 e 1871. 

Conta-se que quando o telefone foi apresentado em uma feira de invenções, nosso imperador D. Pedro II, que foi especialmente para isso aos EUA, se interessou pelo aparelho. Levantou o fone e disse: alô. Na época esta palavra era usada como se usa hoje olá. No dia seguinte os jornais publicaram: “O imperador do Brasil disse alô ao telefone”. Foi assim que uma palavra da língua portuguesa entrou em todas as línguas do mundo.

Segundo informações da revista Mundo Estranho, publicação n° 137, o mais provável é que a palavra derive do termo húngaro “hallod”, que significa: está me ouvindo? O alô em português é uma tradução direta.
Na Rússia, segundo consta, também dizem “alô”, e não “hello”, como seria de se esperar se a origem fosse americana, como alguns disseram. O Brasil foi um dos primeiros países a adotar o telefone.
Falamos “alô” porque em análise gramatical essa palavra é uma interjeição. E quer dizer exatamente que é uma expressão que serve para chamar a atenção, pode ser uma saudação e exprime surpresa: “Tem alguém aí?”

Para finalizar, em Portugal, quem liga diz: “Está lá?” E o interlocutor responde: “Estou cá”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *