Categorias
Heitor Freire

A Quem Recorrer?

Como é importante o momento que estamos vivendo em todo o planeta. Que eu saiba, nunca houve, em toda a história, uma situação global (e para muitos, de pânico total) em que as pessoas se sentem acuadas e sem saber o que fazer ou a quem recorrer.

Se recorrem ao governo, encontram informações desencontradas; se ao poder judiciário, juízes e ministros agem extrapolando suas competências; se aos governos estaduais, deparam-se com um conflito generalizado com desmandos e exorbitância de competência que contrariam a ordem constitucional, na qual os governadores encontraram palco para inflar seus egos e tentar impressionar a população com atitudes que só servem para o exibicionismo. Tem prefeito decretando toque de recolher e mandando prender quem anda pelas ruas.

Ao mesmo tempo, surgem aqui e ali mensagens de teorias conspiratórias, fruto da cabeça de inconsequentes que encontraram oportunidade para externar suas ideias estapafúrdias, levando ainda mais confusão ao concerto geral das coisas.

E então? A quem recorrer? Onde buscar refúgio para nossas dúvidas? Aprendi que só existe um lugar. A fonte de tudo, que é Deus. É com Ele e Nele que encontraremos o porto seguro para nossa tranquilidade e continuidade.

A maioria procura segurança pensando em manter o status quo. De um modo geral, o que menos se quer é mudança. Todos procuram apoio naquilo que veem ou no que possuem.

Mas os ventos da mudança estão soprando sempre, sem parar. E quando os ventos começam, obedecem a uma sequência natural em que a velocidade vai se acelerando aos poucos, tomando corpo, aumentando até que a sua força adquira contornos irresistíveis, levando tudo de roldão. A força da natureza não encontra resistência.

Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. Essa lei fundamental foi conceituada por Lavoisier (1743-1794). Daí a necessidade de aceitarmos a mudança.

A única coisa imutável em todo o Universo, é a mudança, Heráclito já ensinava há mais de 2.500 anos. Para Heráclito, filósofo nascido em Éfeso por volta de 540 a.C., tudo que existe está em transformação. Ele é considerado o pai da dialética e chamou de “devir” a constante mudança do mundo. São dele as célebres frases: “Nada é permanente, exceto a mudança”, e “Ninguém entra em um mesmo rio uma segunda vez, pois quando isso acontece já não se é o mesmo, assim como as águas que já serão outras”.

No meio da Revolução Francesa, Danton aconselhou de l’audace, encore de l’audace, toujours de l’audace (“Audácia, mais audácia, sempre audácia”). O que precisamos é encarar a mudança e com ela aprender e evoluir.

Aprendi que os quatro verbos da evolução são:

  1. Sem entender não avançamos nada.
  2. Depois de entender, é preciso confirmar se o entendimento decorre de algo verdadeiro.
  3. Entendendo e confirmando, é preciso aceitar.
  4. De nada vale entender, confirmar e aceitar se não se praticar o que foi aprendido.

Aprendi também que os quatro verbos se complementam com o comportamento que decorre do discernimento, do desapego, da boa conduta e do amor.

Coroando tudo, quem recorrer a Jesus, aceitando que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida, entendendo que o trilhar do seu Caminho nos conduz à Verdade e nos permite viver a Vida verdadeira, estará seguro.

Vivendo, aprendendo e compartilhando.

Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *