Categorias
Heitor Freire

Mulher, Mulher, Sempre Mulher!

Faz quase 12 anos que, de repente, não mais que de repente, comecei, do nada, a escrever. Foi uma inspiração. E assim, de semana em semana, chegamos a quase 500 artigos.

O tema mais recorrente e que tem merecido uma atenção especial de minha parte – pela minha rica convivência, como pai de sete filhas e casado com uma mulher de uma inteligência invulgar e de uma intuição divina –, tem sido a mulher. Esse Ser divino, misterioso, mágico, magnífico, fantástico, inexprimível, enigmático.

Assim, nada mais oportuno, neste momento em que se aproxima o Dia Internacional da Mulher, do que voltar a esse tema que me fascina.

A mulher não pode ser rotulada pelo que o homem “acha”. Ela é sempre muito mais. Querer entender a mulher também é perda de tempo. Ela é tão majestosa que nós, homens, não temos como alcançar a sua magnitude. Ela não foi feita para ser entendida, mas amada, admirada, conquistada.

A luta milenar das mulheres é pelo respeito. Nós, homens, temos que aprender a respeitá-las porque sem elas não existiria a humanidade. A gente não consegue chegar perto do que significa conviver durante 9 meses com a gestação de um novo ser, e o que isso representa e provoca em sua consciência. Sem falar do mistério de um corpo que sangra todos os meses e não morre disso.

Mary Wollstonecraft (1759-1797), uma escritora inglesa do século XVIII, filósofa e defensora dos direitos das mulheres, assim se manifestou: “Não desejo que as mulheres tenham poder sobre os homens, e sim, sobre elas mesmas”.

Nos dias de hoje, Wollstonecraft é considerada uma das fundadoras do feminismo filosófico, e é comum que as feministas considerem sua vida e sua obra influências importantes para a causa dos direitos da mulher.

“Deixe a mulher compartilhar dos direitos e ela emulará as virtudes do homem”. É essa posição que nós precisamos entender e respeitar. É preciso que prevaleça o bom senso, com os dois sexos convivendo em igualdade de condições, respeitando-se mutuamente. Cada um na sua individualidade e na sua função.

Hoje verificamos que está havendo uma alteração de status: basta analisarmos a conquista de posições, antigamente exclusiva dos homens, que elas estão alcançando paulatinamente, na política, nas empresas, na sociedade. O que evidentemente não pode colocá-las em posição antagônica aos homens, sob pena de levá-las ao extremo oposto. O que, novamente, desequilibraria as energias complementares.

A essência da mulher é a feminilidade e este é o elemento mais necessário para si mesma tanto quanto para conquistar o homem. E à medida que ela exalta e irradia a sua feminilidade, silenciosamente, naturalmente, ocupa o verdadeiro lugar que é só seu, que não pode ser objeto de troca nem de disputa, nem de concorrência, usando sempre a inteligência, cujo uso constante é o seu próprio fator de continuidade.

Não existe na natureza nada mais gracioso do que a mulher: o seu sorriso, o seu balançar de quadris, o seu olhar, aquela maneira envolvente com que levanta os braços e mexe a cabeça daqui pra lá. Quando percebe que está sendo olhada disfarça, como se não estivesse vendo e rindo por dentro.

Meus amigos, aproveitemos a oportunidade desta comemoração internacional, para que cada um, de seu canto, expresse sua alegria em reverenciar e conviver com essa criatura maravilhosa que Deus criou para encantar nossas vidas.

Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *