Categorias
Heitor Freire

Nos Tempos Do Quartel – Final

A maior autoridade para o recruta é o cabo. Ele é o seu superior imediato, com quem vai conviver diretamente até passar “a pronto”, quando presta o juramento à bandeira, um acontecimento emocionante e inesquecível. E quase sempre, o cabo é um disciplinador, exigindo muito dos pobres recrutas. Recruta morre de medo do cabo.

Quando da incorporação, a idade dos jovens é de 18 anos, ou seja, são completamente inexperientes. E de repente se veem frente a frente com uma disciplina férrea e um superior imediato muito exigente.

Tem um causo engraçado que faz parte do anedotário e retrata com muita fidelidade a relação entre o cabo e o recruta. Consta que um dia, o cabo, comandante da guarda do quartel general, estava muito irritado. No horário de chegada do general, rapidamente o cabo botou a tropa em forma para receber seu comandante com as honras de praxe. Só que o general não chegou. O cabo desfez a guarda e ficou de prontidão, observando os carros pretos que passavam pela entrada do quartel. Quando achava que podia ser o carro do general, colocava novamente a guarda em forma. E nada do general. Depois de montar e desmontar a guarda várias vezes, começou a xingar o general: “Velho desgraçado, filho da mãe que não chega nunca, tá pensando que eu vou ficar o dia todo esperando? Tenho mais o que fazer.”

E ficou por ali, dando corda à sua irritação, soltando fogo pelas ventas. O recruta que estava de guarda, tremendo de medo, de repente, percebe que o general está chegando a pé. Larga o mosquetão na guarita e corre até o general, pegando-lhe pelo braço e falando baixinho: “General, entra de fininho, que o cabo está puto da vida com o senhor”.

Na época em que prestei o serviço militar, soldado não podia andar por aí à paisana, com traje civil. Tinha que estar sempre fardado, mesmo fora do quartel. Certo dia, eu fui convidado por um colega para um baile de estudantes no Clube Militar. E lá fui eu, todo faceiro, com o meu melhor (e único) terno. Quando estava dançando, de repente, não mais que de repente, vi sentado à uma mesa próxima o comandante da nossa companhia, o capitão Cartaxo – Raimundo Wilton Cartaxo Esmeraldo, nunca me esqueço. Gelei. Aiaiai. E agora? Ele me viu, me cumprimentou de longe com a cabeça, e eu todo atrapalhado respondi ao cumprimento. Quando terminou a dança, fui procurá-lo. Mas ele já tinha saído.

Na ocasião, eu trabalhava justamente no gabinete do capitão Cartaxo. No dia seguinte, quando eu já me dirigia ao gabinete, passei por ele, que me chamou e disse: “Preciso falar com o senhor agora”. Pensei: “Putz, danou-se”. Entrei no gabinete e permaneci perfilado. O comandante disse: “O senhor não sabe que não pode andar à paisana?” E eu: “Sei, sim senhor”.

Ele: “Bom, desta vez, em consideração ao clube onde o senhor estava e por estar devidamente trajado, vou deixar passar. Mas na próxima, me peça autorização, que eu lhe darei, assim não vai incorrer em penalidade”. Ufa. Que alívio.

Um belo dia, no quartel, anunciaram que teria concurso para cabo. Me inscrevi, fui aprovado e promovido. Me sentia o cara mais importante do mundo, olhando para aquelas duas divisas (a minha condecoração de cabo no uniforme). Uma noite, saí com o sargento Barros, compondo uma guarda para fazer ronda pelos bairros próximos ao quartel. Antigamente, ali pelo alto da Vila Planalto, tinha um clássico bordel –conhecido naquela época como “casa de tolerância” –, e a nossa guarda foi recebida com todas as honras pelas meninas. Chegamos, olhamos, e fomos embora. Não havia nenhuma alteração. Durante a guarda, eu portava uma pistola 45. Era autoridade. E graças a Deus, nunca precisei usá-la. Citei o fato só para registro porque nada aconteceu de anormal.

No ano seguinte, em janeiro de 1960, dei baixa e fui para o Rio de Janeiro estudar. Mas aí já é outra história.

Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *