Categorias
Heitor Freire

O Encantamento Do Sabiá

No dia 5 de outubro foi comemorado o Dia da Ave. Essa data comemorativa foi instituída pelo Decreto nº 63.234, assinado pelo Presidente Arthur da Costa e Silva em 1968, que fixava, originalmente, o dia 15 de setembro para a sua comemoração. Décadas mais tarde, em 2002, o presidente Fernando Henrique Cardoso sancionou um novo decreto que transferiu essa data para o dia 5 de outubro.

Em 1987, por sugestão de Johan Dalgas Frisch, um engenheiro paulistano, apaixonado  pelas aves e reconhecido mundialmente pela façanha de ter sido a primeira pessoa a gravar o canto do uirapuru, o sabiá foi indicado como “ave nacional”.

Dalgas Frisch justifica sua indicação: “A ave foi escolhida por ser encontrada tanto no campo quanto na cidade, estando próxima do homem; são muitas as citações dela em poemas e músicas; seu canto é maravilhoso e individual, não existindo duas aves com cantos iguais.” A iniciativa de Dalgas Frischi teve o apoio de grandes personalidades, como o escritor Jorge Amado [1912-2001], que lhe enviou o seguinte telegrama:   “Desejo manifestar meu integral apoio à campanha para que o sabiá seja definitivamente consagrado como ave oficial do Brasil durante as comemorações do próximo dia da ave.”

Assim, o sabiá passou a fazer parte oficialmente dos nossos já consagrados símbolos nacionais: a bandeira, o hino, o brasão de armas da República e o selo, e hoje tem a mesma importância deles na representação do nosso país. É a ave símbolo do Brasil.

Neste período do ano, somos brindados com o canto mavioso do sabiá. Eu fico extasiado com a sua sonoridade. Quem já viu o sabiá cantar pode confirmar. Ele canta com todo o seu ser. Seu corpo vibra e ele emite esse som maravilhoso que encanta a todos.

Entre  as suas muitas virtudes, a primavera, a estação do amor, nos brinda com o  maravilhoso canto do sabiá, que já nos desperta logo de madrugada, alegrando desde então o alvorecer de um novo dia.

O sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris) é uma ave comum na América do Sul, e é o mais conhecido de todos os sabiás, identificado pela cor de ferrugem no ventre e por seu canto melodioso durante o período reprodutivo.

O nome sabiá deriva do tupi haabi’á, que significa “aquele que reza muito”, em alusão ao seu canto. Diz uma antiga lenda indígena que durante as madrugadas, no início da primavera, quando uma criança ouve o canto do sabiá-laranjeira ela é abençoada com amor, felicidade e paz.

O sabiá exerce um encantamento tão grande que inspirou e continua inspirando muitos poetas e compositores que, extasiados pelo seu canto, louvam-no em seus poemas e músicas, como Gonçalves Dias [1823-1864], em sua Canção do Exílio:

“Minha terra tem palmeiras

Onde canta o sabiá;

As aves que aqui gorjeiam,

Não gorjeiam como lá.

Os versos abaixo compõem os trechos iniciais do poema também intitulado Canção do Exílio, de Casimiro de Abreu [1839-1860].

“Se eu tenho de morrer na flor dos anos

Meu Deus! não seja já;

Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde,

Cantar o sabiá!”

Também Carlos Drummond de Andrade [1902-1987], em sua Nova Canção do Exílio:

“Só, na noite,

seria feliz:

um sabiá,

na palmeira, longe”.

O sabiá foi imortalizado também por outros grandes compositores e músicos, como Marisa Monte, Tom Jobim e Chico Buarque. Roberta Miranda compôs “A majestade, o sabiá” que foi celebrizado na voz do inesquecível Jair Rodrigues.

Pela forte presença na literatura e no cancioneiro popular brasileiro, o sabiá é uma ave que está sempre na cabeça das pessoas de Norte a Sul do Brasil. Ouvir o seu trinado cristalino cantando o amor é uma pausa que alegra nossas almas.

Que possamos continuar nos encantando com o sabiá!

Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *